• Grey Facebook Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon

Realização / Execution

fotografia, photography, brasil, brazil, eraldo peres, cultura popular, etnofotografia, diversidade

Apresentação / Presentation

fotografia, photography, brasil, brazil, eraldo peres, cultura popular, etnofotografia, diversidade
fotografia, photography, brasil, brazil, eraldo peres, cultura popular, etnofotografia, diversidade

Política de Privacidade

As informações de cadastro coletadas no site Filhos da Terra são utilizadas apenas para contatar o usuário sobre os serviços e/ou conteúdos no qual tenha manifestado interesse.

Fotografia brasileira, diversidade cultural, eraldo peres

Fale Conosco

Fone

55 61 3963-5119 / 9 9333-1691

Endereço

CLSW Quadra 103 - Bloco A - Loja 37 - Ed. Rhodes Center II - Sudoeste - Brasília/DF - CEP. 70.670-521

Direitos Autorais

Todo o conteúdo do site Filhos da Terra está licenciado sob a Licença Creative Commons - Não comercial e Sem derivações 4.0 Internacional.

  • Equipe

Projeto Filhos da Terra é objeto de estudo em pesquisa de pós-graduação na Unb

Os temas culturais têm ocupado um espaço significativo em pesquisas nas áreas sociais e humanas nas principais universidades brasileiras, em face à importância desse segmento, não só na construção de políticas públicas, mas no desenvolvimento social e econômico do país.


Congadeiro durante as celebrações da Congada na cidade de Catalão/GO. Foto: Eraldo Peres/filhosdaterra.org

E é nessa emergência cultural que a produtora executiva e pesquisadora do projeto Filhos da Terra, Carol Peres, se junta a uma crescente linhagem de pesquisadores e documentaristas que buscam compreender a formação do Brasil no domínio da cultura, apresentando uma reflexão sobre o uso da cartografia como metodologia de pesquisa do patrimônio cultural imaterial.


Sob o título "Rota dos saberes: o uso da cartografia para pesquisa e documentação do patrimônio imaterial e a experiência do projeto Filhos da Terra", a pesquisa de Carol Peres lança um olhar para o patrimônio vivo brasileiro e como a cartografia pode ser utilizada como ferramenta de apoio para a produção de documentos históricos e para a comunicação e salvaguarda das culturas populares e do patrimônio cultural dos povos.


"Quando falamos em cultura, é preciso resgatar a gênese e o deslocamento sociocultural das manifestações populares. É preciso entender, por exemplo, porque o Sertanejo, que está presente no sul, no centro-oeste e no nordeste brasileiro, tem semelhanças e diferenças. Quais são as transformações sociais e a influência disso na construção da identidade e diversidade cultural do nosso país", explica Carol.

Fotos: Eraldo Peres/filhosdaterra.org - (E): Vaqueiro trajado com gibão de couro durante a tradicional Pega de Boi de porteira na cidade de Serrita, Pernambuco. / (C): Peão pantaneiro durante travessia do gado no Rio Taquari em Mato Grosso do Sul. / (D): Peão gaúcho durante festividades da Semana Farroupilha na cidade de Alegrete no Rio Grande do Sul.


Na pesquisa, o projeto Filhos da Terra ganha um capítulo exclusivo, onde é apresentado seu histórico de desenvolvimento, a cartografia construída no período 2016 a 2018 e suas rotas culturais, e o papel da fotografia enquanto documento histórico e de comunicação das culturas.


O Filhos da Terra é um projeto cultural de pesquisa e documentação da cultura popular, que parte da arte fotográfica como linguagem principal de comunicação para imprimir referências de povos e suas tradições numa esfera pública global. Baseia-se no mapeamento e na disseminação do patrimônio imaterial para reconhecer e valorizar os bens culturais brasileiros e os transnacionais compartilhados entre Brasil, Portugal e Angola. Suas ações resultam em um acervo editorial disponibilizado em ambiente digital para instituições de educação, investigação e público especializado, que pode ser acessado no site www.filhosdaterra.org.


A pesquisa Rota dos Saberes foi realizada no âmbito do curso de Especialização em Educação e Patrimônio Cultural e Artístico do Programa de Pós-Graduação em Arte da Universidade de Brasília (UnB). A dissertação foi lançada em fevereiro de 2019 e o texto completo pode ser acessado na Biblioteca Digital da Produção Intelectual Discente da Unb, no link: http://bdm.unb.br/handle/10483/22335

selo site.png

Projeto Finalista

PRÊMIO RODRIGO

MELO FRANCO

IPHAN - 2019