• Grey Facebook Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon

Realização / Execution

fotografia, photography, brasil, brazil, eraldo peres, cultura popular, etnofotografia, diversidade

Apresentação / Presentation

fotografia, photography, brasil, brazil, eraldo peres, cultura popular, etnofotografia, diversidade
fotografia, photography, brasil, brazil, eraldo peres, cultura popular, etnofotografia, diversidade

Política de Privacidade

As informações de cadastro coletadas no site Filhos da Terra são utilizadas apenas para contatar o usuário sobre os serviços e/ou conteúdos no qual tenha manifestado interesse.

Fotografia brasileira, diversidade cultural, eraldo peres

Fale Conosco

Fone

55 61 3963-5119 / 9 9333-1691

Endereço

CLSW Quadra 103 - Bloco A - Loja 37 - Ed. Rhodes Center II - Sudoeste - Brasília/DF - CEP. 70.670-521

Direitos Autorais

Todo o conteúdo do site Filhos da Terra está licenciado sob a Licença Creative Commons - Não comercial e Sem derivações 4.0 Internacional.

  • Equipe

Patrimônio Imaterial será tema de jornada durante Festival de Inverno em MG


Evento reunirá representantes de comunidades tradicionais, como a dos Arturos, Reinado do Jatobá e Terreiro Ilê Wopo Olojukan.

Festa dos Arturos, em Contagem: representantes da comunidade vão participar da jornada (Foto: Elias Ramos / Prefeitura de Contagem)

No próximo dia 16, terça-feira, o Conservatório UFMG vai abrigar a 1ª Jornada de Estudos sobre o Patrimônio Cultural Imaterial. Pesquisadores, gestores e representantes de comunidades cujos saberes e práticas foram patrimonializados vão integrar duas rodas de conversa sobre o patrimônio imaterial. Instituída recentemente, a modalidade se caracteriza pelo protagonismo dos atores dos saberes e práticas vinculadas à cultura popular e ao conhecimento tradicional. A jornada integra a 51ª edição do Festival de Inverno da UFMG, e as inscrições podem ser feitas neste site. Os participantes receberão certificado.


A primeira mesa vai tratar dos sentidos locais da patrimonialização, ou seja, como as comunidades lidam com a nova simbologia, o que mudou para elas e qual é a pauta de reivindicações. A conversa vai reunir, entre outras, representantes da Comunidade dos Arturos, do Reinado do Jatobá e do Terreiro Ilê Wopo Olojukan. No segundo encontro, gestores do patrimônio histórico e artístico, estudiosos do tema e representantes de comunidades vão debater os desafios que envolvem a patrimonialização. 

Práticas que não se separam das pessoas “A concepção tradicional de patrimônio abrange, por exemplo, prédios tombados e objetos que saem de circulação para serem exibidos em museus. Nosso desafio é pensar sobre o que acontece com práticas culturais que não podem ser separadas das pessoas, tampouco do que elas decidem e da forma como lidam com os novos significados e usos de experiências, lugares e conhecimentos declarados patrimônio cultural”, afirma a antropóloga Lúcia Campos, professora da Uemg que realiza estágio pós-doutoral na Escola de Música da UFMG. Ela é uma das curadoras da Jornada, ao lado das professoras Leda Martins, da Faculdade de Letras, e Glaura Lucas, da Escola de Música.


Glaura Lucas ressalta a participação dos membros das comunidades, que adotam a categoria do patrimônio imaterial e tomam a iniciativa de reivindicar essa proteção. “É importante conhecer os motivos pelos quais as comunidades desejam a patrimonialização, os sentidos profundos relacionados à vida, ancestralidade e continuidade. O diálogo com as agências de proteção do patrimônio contribui para fortalecer as comunidades e garantir a transmissão de rituais e valores para as próximas gerações".


A 1ª Jornada de Estudos sobre o Patrimônio Cultural Imaterial será aberta pela antropóloga e professora da UFRJ Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti, que fará a palestra Caminhos das culturas populares e políticas públicas de patrimônio cultural imaterial. Ela é organizadora, com Joana Corrêa, doutora pela UFRJ, do livro Enlaces: estudos de folclore e culturas populares, que será lançado no encerramento do encontro.


Com informações da UFMG/Itamar Rigueira Jr.

0 visualização
selo site.png

Projeto Finalista

PRÊMIO RODRIGO

MELO FRANCO

IPHAN - 2019